Postagem em destaque

MANÉ GARRINCHA

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Veja 7 erros que custaram a Copa do Brasil ao Santos


Desde que foi definida a final da Copa do Brasil, o Santos sempre foi tratado como favorito diante do Palmeiras. Era natural, pois o time da Vila Belmiro estava em alta no Campeonato Brasileiro, enquanto o Palmeiras só decepcionava e despencava na tabela. Mas aconteceu a surpresa: os santistas cometeram 7 erros cruciais e saíram derrotados da decisão. Veja as falhas santistas que foram decisivas para o fracasso na final: Mudança de data Assim que se classificou para a final da Copa do Brasil, o Santos pediu para a CBF mudar as datas dos jogos. Antes, os confrontos estavam marcados para 4 e 25 de novembro. Porém, a diretoria alvinegra entendeu que o espaço de três semanas entre um jogo e outro seria ruim para a equipe. O Palmeiras aceitou o pedido e foi o maior beneficiado, pois o adiamento fez o Santos perder o a ótima fase que estava vivendo até o final de outubro. As finais foram remarcadas para 25 de novembro e 2 de dezembro, quando o Santos já tinha sofrido uma queda de produção. Modesto Roma sugeriu mudança que beneficiou o Palmeiras Até 19 de novembro, o Santos estava no G-4 do Campeonato Brasileiro, o que lhe daria uma vaga na Copa Libertadores da América de 206. Porém, a comissão técnica preferiu focar na Copa do Brasil depois disso e passou a colocar reservas para jogar partidas cruciais, como contra o Coritiba, três dias antes de começar a final. Tal decisão foi muito criticada e apontada como um erro grave, mas Dorival Junior se defendeu alegando que a situação física do elenco era preocupante. Agora o Santos está fora da Libertadores, apesar de ter tido duas boas chances de conquistar a vaga. Logo no começo do primeiro jogo, disputado na Vila Belmiro, o Santos teve uma grande chance de abrir o placar. O juiz marcou pênalti de Arouca em Ricardo Oliveira, e o jovem Gabigol foi para a cobrança. Porém, ele errou e chutou a bola na trave. Pelo menos se redimiu depois, fazendo o único gol do jogo. Gabriel autor do gol no primeiro jogo Gol perdido O atacante Nilson perdeu uma chance ainda melhor de criar uma grande vantagem para o Santos. No último lance do jogo na Vila Belmiro, ele recebeu um ótimo passe de Ricardo Oliveira e ficou de frente para o goleiro, com o gol aberto. Porém, de forma totalmente bizarra, ele chutou para fora. Na hora os santistas já imaginaram que aquele gol perdido poderia fazer falta depois. E foi exatamente isso que aconteceu! Euforia exagerada A vitória do Santos no primeiro jogo foi magra, por 1 a 0, mas mesmo assim o time se empolgou demais. A condição de favorito e o grande domínio sobre o Palmeiras na Vila Belmiro fizeram o time ficar confiante e até mais provocativo. Tanto que algumas entrevistas eufóricas do atacante Ricardo Oliveira e de outros jogadores foram usadas como motivação para o Palmeiras. Após conquistar o título, os alviverdes não perderam sequer uma chance de criticar o Ricardo ou quem apontou o Santos como favorito absoluto. Pôster comprometedor Dois dias antes da grande decisão do título da Copa do Brasil, bancas de jornais passaram a vender um pôster no qual o time alvinegro aparecia como "um time campeão". A diretoria santista se irritou, logo disse que não tinha nada a ver com o pôster e jogou a culpa na Editora Escala. O time inclusive cogita tomar medidas legais contra os responsáveis pela publicação, que pode ter motivado ainda mais o Palmeiras - basta ver que, durante a comemoração, o atacante Kelvin apareceu com um pôster com o rosto de Ricardo Oliveira chorando. Recuo tático No primeiro jogo, na Vila Belmiro, o Santos adotou uma postura agressiva na marcação, adiantando suas linhas e marcando o Palmeiras sob pressão desde a saída de bola. Isso sufocou o time alviverde, que não deu trabalho nenhum ao goleiro Vanderlei. Porém, na segunda partida, essa postura mudou completamente: os santistas passaram a marcar atrás do meio-campo e deram muito espaço para o Palmeiras pensar e armar suas jogadas. Nem os contra-ataques santistas, quase sempre rápidos e letais, funcionaram no Allianz Parque.

Nenhum comentário:

Postar um comentário