Postagem em destaque

COPA DAS ZEBRAS

domingo, 24 de janeiro de 2010

JULAMENTO DOS NARDONE


Julgamento do casal Nardoni deve durar até 3 dias, dizem TJ e MP

Acusados de matar Isabella vão a júri popular em 22 de março de 2010.
Alexandre e Anna Jatobá negam crime.



O julgamento do casal Nardoni, marcado para ocorrer a partir das 13h da segunda-feira do dia 22 de março de 2010, deve durar até três dias. A previsão foi feita nesta quarta-feira (16) pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo e pelo Ministério Público.

De acordo com o Tribunal e com a Promotoria, julgamentos de grande repercussão levam, em média, esse tempo para que o juiz determine a sentença dos réus.

Alexandre e Anna Carolina Jatobá são acusados de matar Isabella, de 5 anos, no dia 29 de março de 2008. A madrasta da menina a teria agredido e o pai, a jogado da janela do sexto andar do apartamento do casal, em Santana, na Zona Norte da capital.

Segundo a assessoria do TJ, muitas pessoas terão de ser ouvidas pelo juiz Mauricio Fossen, do 2º Tribunal do Júri do Fórum de Santana, durante o julgamento -- que teve sua data divulgada na terça (15). Além dos envolvidos diretamente, pouco mais de 20 testemunhas (divididas entre as da acusação e da defesa) serão arroladas para prestar depoimento. Vídeos sobre o caso Isabella deverão ser exibidos no dia pela MP e pelos advogados dos Nardoni.

“A expectativa do Ministério Público é que o julgamento ocorra a partir de 22 de março. Pelos meus cálculos, acho que isso vai levar de dois a três dias. Não deve passar disso”, afirmou o promotor Francisco Cembranelli, responsável por denunciar o casal à Justiça.

“Eu arrolei quatro testemunhas. O médico legista Paulo Tieppo [do Instituto Médico Legal (IML)], a perita Rosangela [Monteiro, do Instituto de Criminalística (IC)], a delegada Renata [Pontes, que indiciou o casal] e Ana Carolina Oliveira [mãe de Isabella]”, disse Cembranelli. “Soube que a defesa arrolou 20 testemunhas, entre peritos do IC e até algumas testemunhas que eu arrolei.”

De acordo com o promotor, o julgamento será emblemático. “Vai atrair a atenção de muita gente”.

Policiamento reforçado

Ainda, de acordo com o TJ, haverá reforço policial no dia do julgamento no Fórum de Santana. O órgão, e a Polícia Militar, não entram em detalhes sobre como será feito o trabalho por questões de segurança e planejamento estratégico. Também haverá um esquema especial de trânsito, provavelmente com o auxílio da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Não está confirmado, mas o juiz Fossen deverá abrir o julgamento à cobertura da imprensa. O local onde será realizado um dos mais esperados júris dos últimos anos deve ser o plenário número 3 do Fórum de Santana. Foi lá que o ex-cirurgião Farah Jorge Farah acabou condenado a 12 anos de prisão pelo assassinato da ex-namorada e paciente. Coincidentemente, seu advogado é o mesmo que defende o casal Nardoni: Roberto Podval.

O agendamento e credenciamento dos jornalistas que irão cobrir o julgamento dos Nardonis deve começar a ser feito em fevereiro de 2010, informa a assessoria do TJ. Dentro da sala, no entanto, deve ser permitido somente um bloco de anotações e caneta. Câmeras fotográficas, filmadoras e gravadores podem ser vetados. O uso do lap top ainda não foi debatido.


Caso

Segundo o Ministério Público, a morte de Isabella teria ocorrido após uma discussão. Alexandre e Anna Carolina negam que tenham matado a menina. Eles afirmaram à época que um desconhecido entrou no quarto da menina e a matou. Essa pessoa nunca foi encontrada pela polícia. Recentemente, os defensores do casal cogitaram a possibilidade de ter ocorrido até mesmo um acidente doméstico com a garota: Isabella poderia ter caído sozinha da janela.

O advogado de defesa dos Nardoni, Roberto Podval, não foi encontrado para comentar o assunto. Anteriormente, ele havia dito que algumas questões ainda precisam ser resolvidas até o julgamento, como a realização de um novo teste de DNA e que isso é prioridade. O advogado do casal disse que a amostra que o Ministério Público afirma ter sido colhida dos acusados de matar Isabella, e que está no Instituto de Criminalística (IC), não é sangue, mas sim urina.

Podval
 protocolou um pedido para a realização de novos testes de DNA. Na quarta (9), o Instituto de Criminalística divulgou o resultado do exame de DNA que comprovou que o material genético que está guardado no instituto desde 2008 pertence mesmo ao casal.  

Kleber Tomaz
g1.globo.com