Postagem em destaque

COPA DAS ZEBRAS

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Polícia examinou câmeras de segurança no sítio do goleiro Bruno


Agentes olharam detalhadamente cortinas, piso e móveis da casa.
Segundo investigações, jogador é suspeito no desaparecimento de jovem.

Do G1, com informações do Jornal Nacional
 A polícia fez buscas, nesta segunda-feira (28), no sítio do goleiro Bruno (Flamengo), que fica na Grande Belo Horizonte. Ele é apontado pelos investigadores como suspeito de envolvimento no sumiço da ex-namorada Eliza Samúdio, que entrou na Justiça para tentar provar que teria um filho com o goleiro do Flamengo.
A polícia entrou no condomínio, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, às 16h30, com um mandado de busca e vasculhou os arquivos de imagem da portaria.
No sítio do goleiro, os policiais começaram o trabalho com escavações. Na casa, entraram em uma espécie de porão. Retiraram de lá uma lona preta e pareciam procurar vestígios nela. No andar de cima da casa, olharam detalhadamente as cortinas, a soleira das portas, o piso e os móveis da varanda.
No fim da tarde, concentraram a busca em um poço. Eles usaram uma corda com uma lanterna amarrada na ponta.
As buscas continuaram ao anoitecer. Até as 21h desta segunda-feira, a polícia continuava no local, sem previsão para o término dos trabalhos. A polícia investiga uma denúncia anônima de que a ex-namorada de Bruno, Eliza Samúdio, teria sido espancada por ele e dois amigos, no sítio do jogador. Ela está desaparecida há três semanas.
Eliza tentava provar na Justiça que o goleiro é o pai do filho dela, de quatro meses.
De acordo com a polícia, a atual mulher de bruno, Dayane de Souza, e um amigo dele conhecido como "macarrão" teriam tentado esconder o bebê.
Dayane foi autuada em flagrante por subtração de incapaz. O bebê foi encontrado e entregue ao pai de Eliza Samúdio, na noite de domingo (27).
Bruno não treinou com o time nesta segunda-feira. O departamento jurídico do Flamengo disse que Bruno concordou com o afastamento e que afirmou estar estar à disposição da Justiça para esclarecimentos.