Postagem em destaque

Juninho Pernambucano

sexta-feira, 26 de março de 2010

Veja momentos do embate entre promotor e advogado no júri do casal Nardoni


Francisco Cembranelli e Roberto Podval discutiram em julgamento.
Nervoso, promotor disse ser alvo de “canalhice sem precedentes”.
Do G1, em São Paulo
Tamanho da letra

O julgamento do casal Nardoni, acusado de matar a menina Isabella, coloca como antagonistas o promotor Francisco Cembranelli e o advogado de defesa do casal, Roberto Podval. Veja a seguir alguns dos embates travados entre os dois durante o julgamento nesta sexta-feira (26).

Leia também:

'Canalhice'
O promotor Francisco Cembranelli ficou nervoso durante sua réplica na sala do júri e disse ser alvo de uma “canalhice sem precedentes”.

A frase foi dita em referência à acusação de que o delegado propôs que Alexandre Nardoni assumisse a culpa pela morte de Isabella e que ele estava presente neste momento, ainda durante as investigações. 

Foto: Leonardo Monte/Arte G1

O promotor Francisco Cembranelli conversa com jurados a respeito do quarto da menina Isabella durante a sua réplica; de costas, o advogado Roberto Podval, e de de óculos, o juiz Maurício Fossen (Foto: Leonardo Aragão/Arte G1)



Foto: Leonardo Aragão / Arte G1

O advogado de defesa do casal Nardoni, Roberto Podval, observa maquete do edifício London antes de iniciar argumentação (Foto: Leonardo Aragão / Arte G1)


Perícia
Francisco Cembranelli: “Preste atenção para aprender quando fala da perícia.”

Roberto Podval: “Eu vou falar de improviso porque não conheço o processo.”

Francisco Cembranelli: “A justiça caminha num sentido. A defesa pede que vocês voltem na contramão.”

Roberto Podval: “Desisti das minhas testemunhas porque vou usar as suas (acusação) para provar a inocência deles.”

Autoria
Roberto Podval: “O senhor [promotor] não tocou até agora na autoria. Qual é a prova da autoria do crime?

Francisco Cembranelli: “Não há como ter outra pessoa no apartamento e que os réus mataram Isabella. Que há marcas de asfixia e marcas de unhas no pescoço da menina. Se não foi ela [Jatobá], foi o Alexandre.” 

Intimidação
“O Cembranelli me intimida”, disse o advogado de defesa do casal Nardoni, que chegou a chorar no início de sua argumentação.

Roberto Podval enfrentou manifestações durante os dias de julgamento, além de uma tentativa de agressão. 

Tsunami
“Eu esperava que a defesa viesse com um tsunami contra o trabalho de perícia, mas trouxe apenas uma onda”, criticou o promotor do caso Isabella. Francisco Cembranelli disse que esperava que os advogados de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá fossem mais enfáticos durante o júri. 

Se jogar da janela
Ao lembrar a versão defendida pelos advogados de Nardoni de que o réu chegou ao apartamento e, ao se deparar com a tela de proteção rasgada, se projetou para fora da janela, se desesperou e telefonou para o pai, o promotor afirmou:

“Eu talvez me jogasse da janela para chegar mais rápido”. Em seguida, provocou o advogado de defesa:

Francisco Cembranelli: “E o senhor, não faria isso?”

Roberto Podval: “Ligaria para meu pai.”
Sexta-feira, 26/03/2010
Durante a fala, Francisco Cembranello afirmou que a defesa tentou desmoralizar a perícia. Nas próximas horas os jurados vão dizer se pai e madrasta mataram ou não a menina Isabella Nardoni.