Postagem em destaque

COPA DAS ZEBRAS

sexta-feira, 19 de março de 2010

GREVE DOS PROFESSORES


Professores decidem mais uma vez manter a greve e fazem passeata por SP

Após bloquear os dois sentidos da Paulista, manifestantes deixam via.
Categoria pede reajuste salarial de 34%.
Do G1, em São Paulo
Tamanho da letra


Foto: Gustavo Petró/G1

Professores mantêm greve em São Paulo. (Foto: Gustavo Petró/G1)



Eles pedem um reajuste salarial de 34% e o fim das provas dos professores temporários e do programa de promoção. Após interromper o trânsito nos dois sentidos da Avenida Paulista na tarde desta sexta-feira (19), os professores da rede estadual decidiram mais uma vez manter a greve.


De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), houve lentidão na avenida durante a tarde. O trânsito chegou a ser desviado na altura do Masp.

Os manifestantes decidiram seguir em passeata até a o prédio da Secretaria da Educação, na Praça da República.


Na semana passada, quando houve uma manifestação no mesmo local, a CET chegou, inclusive, a oficiar a Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo para garantir o cumprimento de uma decisão judicial "que coíbe o sindicato solicitante de promover passeatas em vias de circulação de São Paulo, por onde trafeguem veículos automotores". Os professores ignoraram a recomendação novamente.

A PM monitorou o protesto e auxiliou as ambulâncias a chegar aos hospitais na região. A manifestação foi considerada "pacífica" no local.

De acordo o governo do estado, a folha de pagamentos da Secretaria de Educação cresceu 33% entre 2005 e 2009, passsando de R$ 7,8 bilhões para R$ 10,4 bilhões. Em relação às gratificações, segundo a secretaria, são feitas na medida das disponibilidades orçamentárias. 
_ Olhe que me desculpe todos os professores, acho que todos tem seus direitos de fazer greve sim , mas dai atrapalhar a vida dos outros, eu não concordo, o patrão dos professores é o governador do estado, então vai fazer greve lá no palacio do governo. E não  como estão fazendo atrapalhando  a vida de quem não tem nada com isso.