quarta-feira, 26 de abril de 2017

A Morte de Tancredo Neves


Lendo a entrevista de um suíço, que em breve postarei no blog, fiquei pensando a cerca da morte que foi revelada por ele, morte essa de um presidente de país de terceiro mundo na década de 80, não sei porque , mas imediatamente me veio a cabeça a morte de Tancredo Neves onde eu sempre ouvi meu pai falar que ele foi de fato, assassinado. Bom, investiguei um pouco sobre a morte desse nosso Presidente e, achei alguns poucos artigos decidi postá-los aqui . Seguem os artigos : O ASSASSINATO DE TANCREDO NEVES O primeiro presidente civil eleito depois do período de regime militar no Brasil, Tancredo Neves, foi considerado clinicamente morto no dia 12 de abril de 1985. Seu corpo foi mantido por aparelhos e com ajuda de drogas até o dia 21 do mesmo mês (data histórica, que lembra a morte de Tiradentes), quando o óbito foi anunciado oficialmente às 22h23. " Após 38 dias de agonia, e sete cirurgias, o primeiro presidente civil eleito desde o Golpe Militar, morre." Assume o vice da chapa, José Sarney, do PFL, partido fundado por dissidentes do PDS. Com ele, o poder permanecia nas mãos dos que apoiavam o regime militar. Muitos acreditam que sua morte tenha sido um plano arquitetado pelos líderes do regime autoritário, quando perceberam que sua vitória era inevitável. No mês da morte de Tancredo, A rede globo mostrou uma reportagem especial sobre a sua morte e fez uma verdadeira encenação, levando a comoção de toda uma nação. Aliás, a globo é muito boa nisso .... "Conversando com um historiador, ouvi que Trancredo Neves foi assassinado, e então eles inventaram o conto da diverticulite,que agora vem sendo questionado e a rede globo tenta manter as aparências de seu passado militar. ... O que sei é que no dia de sua posse,na missa celebrativa(catedral de Brasília),acabou a luz e ouviu-se um tiro(ou algo parecido),...dias depois foi divulgado que Trancredo teve uma crise e estava no hospital(UTI),no caso ele já estaria morto,mas os militares, que por sinal apoiavam Sarney,encobriram a noticia e deixaram para divulgar sua morte no dia 22/04. Diz-se ainda que a repórter Gloria Maria ,presenciou a cena,e teve que ir fazer umas reportagens por alguns anos na Finlândia... " Há outras afirmações de que ele foi envenenado, mas o fato é que muitos políticos morrem como queima de arquivo. Separei alguns posts que se resguardam como anônima para você refletir melhor , pois tudo merece ser lido e pesquisado. Anõnimo disse: " Meu amigo, vc conseguiu pesquisar bem os fatos (VERDADE), eu por exemplo, conheço 3 pessoas que não se conhecem entre si que presenciaram o tiro de bala dum-dum, que foi dado exatamente na igreja, claro que Glória Maria viu tambem...está é a quarta pessoa, mas nunca conversei com ela, as outras três são militares de diversas Armas...E o repórter Antonio Brito!!! Que sabia de tudo e virou até governador!!!! Meu amigo ninguem tem é coragem de falar a verdade que sabem, pois todos tem medo de morrer...Sei que estamos arriscando as nossas vidas aqui delatando o que sabemos, mas é mais do que passada a hora para agirmos, se o Bem não ir a luta, não conseguiremos ser felizes de verdade nunca!!!!" Anõnimo disse: " Sobre a morte de Tancredo Neves, é tudo mentira sobre a tal doença e também envenenamento. Eu assistia a tv quando Tancredo sofreu o atentado. Foi realmente à saída da Cateral, após uma missa. Ele recebeu um tiro à queima roupa. Quem fazia a reportagem era a Glória Maria, da Rede Globo. Após o atentado, em segundos, as transmissões foram interrompidas instantâneamente. Após isso, a Globo sumiu com a Glória Maria, enviou-a para lugares distantes, não sei onde, e só reapareceu anos depois. Lambram do sumiço da Glória Maria? Após isso, notícias foram veículadas que os parentes de Tancredo denunciavam tais atos, e que deixaram e que deixaram Tancredo com as feridas expostas para que sofressem infecções e não sobrevivesse. Ele poderia estar vivo ainda, ou pelo menos ter assumido a presidência, mas ouve uma grande conspiração, que causou a morte de Tancredo. Os assassinos ainda estão livres por aí, na política brasileira." Bom, segue trecho do artigo que fala da morte 'oficialmente' pesquisada: A análise da data da morte é do pesquisador, historiador e especialista em literatura médica da Universidade de São Paulo (USP), Luis Mir, que investigou ao longo de dez anos, por meio de entrevistas, laudos, relatórios e prontuários, o tratamento e a morte do presidente. Ele ainda chegou à conclusão de que uma sucessão de erros de diagnóstico – aliado a procedimentos ultrapassados e equivocados – sem contar uma guerra de egos entre médicos – determinaram a morte de Tancredo. O resultado da pesquisa de Mir está no livro O Paciente – O Caso Tancredo Neves, recém-publicado, que afasta teorias conspiratórias sobre o caso, como a de que o presidente teria sido envenenado. Nada mais a fazer No dia 12 de abril, os médicos que cuidavam do presidente anunciaram que não tinham mais o que fazer para curá-lo. No dia em que foi anunciada a morte (21), o então secretário de Imprensa da Presidência da República, jornalista Antonio Britto, leu a nota de falecimento de Tancredo, transmitida ao vivo pelo programa "Fantástico" da TV Globo: "Lamento informar que o excelentíssimo presidente Tancredo de Almeida Neves faleceu esta noite no Instituto do Coração, às dez horas e vinte e três minutos". Na continuação da leitura do comunicado, Britto disse: "Acrescento o seguinte: nos últimos 50 anos a vida pública de Tancredo Neves confundiu-se com os sonhos e com os ideais brasileiros de união, de democracia e de justiça social e de liberdade. Nos últimos meses, pela vontade do povo, e com a liderança de Tancredo Neves, esses ideais se transformaram na Nova República. A emocionante corrente de fé e de solidariedade das últimas semanas, enquanto o presidente Tancredo Neves lutava pela vida, só fez crescer esse sentimento de união que foi sempre ação, exemplo e o objetivo de Tancredo Neves. Com a mesma fé, com a mesma determinação, o Brasil haverá, a partir de agora, de realizar os ideais do líder que acaba de perder: Tancredo Neves". Hoje presidente executivo da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), com sede em São Paulo, Antonio Britto não quis comentar o assunto. Precipitação Segundo o pesquisador da USP, autor do livro, a crise de saúde de Tancredo poderia ter sido tratada após sua posse e de maneira mais serena, sem as pressões políticas de momentos inerentes à posse de um presidente civil que substituiria uma série de governos militares. Segundo Luis Mir, o tumor de Tancredo não era um caso urgente e poderia ter sido tratado depois, pois o futuro presidente não corria risco de morrer. A causa da morte de Tancredo foi uma hemorragia em consequência da técnica de sutura (fechamento dos pontos) utilizada pela equipe do cirurgião Francisco Pereira Rocha, depois da operação de uma suposta apendicite, que na verdade era o tumor. Tancredo morreu depois de 34 dias de tratamento no Hospital de Base, em Brasília, e no Instituto do Coração, em São Paulo. Para a transferência entre os hospitais, de acordo com Mir, foram imputadas ao Hospital de Base dificuldades técnicas, que na realidade não existiam. A internação do presidente ocorreu na noite de 14 de março, véspera da posse, quando Tancredo passou a sentir fortes dores abdominais. Enquanto o presidente passava pela primeira de suas seis cirurgias, já no dia 15, data da posse, começou uma intensa mobilização política em Brasília, já que o partido de Tancredo (PMDB) queria a posse do deputado federal peemedebista Ulysses Guimarães, presidente da Câmara dos Deputados, e não do vice-presidente eleito, José Sarney. Paralelamente, também eram feitas negociações com o presidente militar João Batista de Oliveira Figueiredo, para passar a Presidência diretamente a José Sarney, com quem estava rompido. Para tanto, Ulysses Guimarães havia assumido compromisso com o ministro-chefe do Gabinete Civil de Figueiredo, general Leitão de Abreu, de que não haveria solenidade de transmissão do cargo, contornando assim o impasse. Abreu era partidário, até então, da posse do presidente da Câmara. Após as negociações, José Sarney tomou posse como presidente da República perante o Congresso às dez horas da manhã do mesmo dia 15. Troca de acusações O resultado da primeira cirurgia de Tancredo foi uma obstrução intestinal que assustou a equipe médica. A segunda operação, realizada no dia 20 pelos médicos Henrique Válter Pinotti, Francisco Pinheiro da Rocha e João Batista Alves, gerou divergência entre os especialistas, que trocaram acusações por meio da imprensa. Com dificuldades de recuperação e uma crise circulatória, Tancredo Neves foi transferido para o Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo, onde foi submetido, em 26 de março, a uma terceira cirurgia, realizada pela equipe de Pinotti. Após essa intervenção é que o presidente eleito foi acometido por uma forte infecção hospitalar. Uma quarta cirurgia tentou corrigir uma "hérnia inguinal encarcerada no lado esquerdo do abdome" e deter um foco infeccioso. Na quinta intervenção, os médicos tentaram drenar um foco infeccioso no local da quarta incisão. No dia 9 de abril foi realizada a sexta cirurgia, uma traqueostomia para amenizar o desconforto originado pela presença de um tubo orotraqueal. Finalmente, a sétima e última intervenção foi realizada no dia 12 de abril de 1985, para "exploração e limpeza da cavidade abdominal". Exatamente nesse dia, de acordo com a pesquisa de Mir, foi constatado o "esgotamento das possibilidades de preservar a vida do presidente". Mas o anúncio da morte de Tancredo só foi feito na simbólica data do Dia de Tiradentes, o mártir da Inconfidência Mineira. FONTES : BLOG CONSPIRAÇÃO

quarta-feira, 22 de março de 2017

O grande Tarciso


A estreia na televisão foi em Noites Brancas, um teleteatro da TV Tupi, dirigido por Geraldo Vietri em 1959. Em outro teleteatro da mesma emissora, Uma Pires Camargo, em 1961, contracenou pela primeira vez com Glória Menezes, com quem casaria pouco tempo depois e os dois passaram a formar um dos casais de maior sucesso da televisão brasileira. Ele foi o galã da primeira telenovela diária da televisão brasileira, 2-5499 Ocupado (1963), na Excelsior, ao lado da já mulher na vida real, Glória Menezes. Protagonizou ainda mais sete telenovelas na mesma emissora até se transferir com Glória para a Rede Globo, onde estrearam em Sangue e Areia. A partir daí, Tarcísio se tornou uma das presenças mais constantes da teledramaturgia brasileira e já tem mais de 50 trabalhos entre telenovelas; minisséries e seriados de televisão. Também no cinema, Tarcísio Meira se tornou um dos principais atores, principalmente nos anos 70 e 1980. O primeiro filme em que atuou foi Casinha Pequenina (1963), ao lado de Mazzaropi; entre seus maiores sucessos estão Máscara da Traição, As Confissões de Frei Abóbora, Independência ou Morte, Missão: Matar, O Marginal, República dos Assassinos e Eu Te Amo. Duas de suas mais importantes interpretações no meio encontram-se em A Idade da Terra, de Glauber Rocha, e Eu, de Walter Hugo Khouri. Recebeu o prêmio APCA de melhor ator oferecido pela Associação Paulista de Críticos de Arte por sua atuação na minissérie A Muralha (2000), produzida pela Globo. Interpretou Fausto Leitão na atual novela das 9 da TV Globo, A Lei do Amor.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Estresse pode causar câncer?


Estresse psicológico é o que sentimos quando estamos sob pressão mental, física ou emocional. Embora seja normal que todos estejam sujeitos ao estresse de tempos em tempos a exposição contínua e repetida ao estresse pode levar tanto a doenças mentais quanto à doenças físicas. Algumas das condições que pessoas sob estresse apresentam com mais frequência são resfriados, dores lombares, problemas de coração e estômago além de um maior risco de depressão. Existe uma relação entre estresse e câncer? Mas existe uma relação entre o desenvolvimento de câncer e estresse? Um estudo emblemático tentou responder essa questão comparando o número de casos de câncer entre judeus que viveram o holocausto da segunda guerra mundial e judeus que não viveram esta época (clique aqui para ver o estudo). Neste estudo foi constatado que pessoas que passaram pelo horror da guerra apresentaram mais casos de câncer do que aquelas que não viveram este período. Os resultados deste estudo foram importantes para mostrar como conflitos como estes podem ter efeitos devastadores mesmo muitos anos depois, no entanto não podemos dizer que foi apenas o estresse que causou o maior número de casos de câncer, visto que estas pessoas também foram submetidas à desnutrição, frio e exposição a agentes infecciosos diversos. Uma revisão recente sobre o assunto juntou os resultados dos últimos 30 anos de estudo sobre a relação de câncer e estresse (clique aqui para ver a revisão). Hoje não temos dados para dizer que o câncer pode ser causado pelo estresse, no entanto estresse parece influenciar os resultados do tratamento e talvez possa ter efeito na progressão da doença em pessoas que já têm câncer. Uma ligação indireta entre estresse e câncer é a maior propensão a maus hábitos de vida como o fumo, o ganho de peso e a maior ingesta de bebidas alcoólicas e estes fatores sim, estão ligados ao desenvolvimento e progressão do câncer. Alguns hormônios liberados durante o estresse como a adrenalina e os corticoides endógenos têm o efeito teórico de estimular o crescimento de novos vasos sanguíneos. Não há, no entanto, forte comprovação deste mecanismo como o causador de piores resultados de tratamento em pessoas sob estresse. O mais provável é que pessoas que têm câncer e estão sob forte estresse percam a esperança no tratamento e passem a não segui-lo corretamente, ou a não procurar ajuda quando elas se sintam mal. O que mostra mais uma vez a importância da parceria entre pacientes, família, cuidadores e equipe médica. Em conclusão, em relação ao desenvolvimento de câncer, não se estresse, estresse não é uma causa de câncer! Para os pacientes em tratamento, não esconda o estresse, confie nos seus e divida essa responsabilidade. As pessoas que te cercam querem o melhor para você! DR FELIPE ADES ONCOLOGIA DE HOJE E AMANHA

quarta-feira, 8 de março de 2017

O VELHO GUERREIRO


CHACRINHA EM SUA ULTIMA APRESENTAÇÃO Desde a década de 1970 era chamado de Velho Guerreiro, conforme homenagem feita a ele por Gilberto Gil que assim se referiu a Chacrinha numa conhecida letra de canção que compôs chamada "Aquele Abraço" Nasceu em Surubim, no Agreste de Pernambuco. Ainda na infância mudou-se com a família para Caruaru, também em Pernambuco, e depois, aos 10 anos de idade, para Campina Grande na Paraíba. Aos 17, foi estudar no Recife, capital pernambucana. Começou a cursar faculdade de Medicina em 1936 e em 1937 teve o seu primeiro contato com o rádio na rádio Clube de Pernambuco, ao dar uma palestra sobre alcoolismo. Chacrinha, apesar de sucessivas crises financeiras na família, teve uma infância tranquila. Em 1956 estreou na televisão com o programa Rancho Alegre, na TV Tupi, na qual começou a fazer também a Discoteca do Chacrinha. Em seguida foi para a TV Rio e, em 1967, foi contratado pela Rede Globo. Chegou a fazer dois programas semanais: Buzina do Chacrinha (no qual apresentava calouros, distribuía abacaxis e perguntava "-Vai para o trono, ou não vai?") e Discoteca do Chacrinha. Cinco anos depois voltou para a Tupi. Em 1978 transferiu-se para a TV Bandeirantes e, em 1982, retornou à Globo, onde ocorreu a fusão de seus dois programas num só, o Cassino do Chacrinha, que fez grande sucesso nas tardes de sábado. Uma frase sua que era muito citada afirmava que "Na televisão nada se cria, tudo se copia"[7]. Alcançou grande popularidade com os seus programas de calouros, nos quais apresentava-se com roupas engraçadas e espalhafatosas, acionando uma buzina de mão para desclassificar os calouros e empregando um humor debochado, utilizando bordões e expressões que se tornariam populares, como "Teresinha!", "Vocês querem bacalhau?", "Eu vim para confundir, não para explicar!" e "Quem não se comunica, se trumbica!". Os jurados ajudavam a criar o clima de farsa, no qual se destacaram Carlos Imperial, Aracy de Almeida, Rogéria, Elke Maravilha e Pedro de Lara, dentre muitos outros. Outro elemento para o sucesso dos programas para TV eram as chacretes - dançarinas profissionais de palco, que faziam coreografias para acompanhar as músicas e animar o programa. No início eram conhecidas como as "vitaminas do Chacrinha". Além da coreografia ensaiada, as dançarinas recebiam nomes exóticos e chamativos como Rita Cadillac, Índia Amazonense, Fátima Boa Viagem, Suely Pingo de Ouro, Fernanda Terremoto, Cristina Azul, entre outras. Anualmente, lançava em seu programa uma marchinha para o Carnaval. Conhecido como Velho Guerreiro, em 1987 foi homenageado pela Escola de Samba carioca Império Serrano com o enredo "Com a boca no mundo - Quem não se comunica se trumbica", foi a única vez que desfilou numa escola de samba, surgiu no último carro alegórico, que reproduzia o cenário de seu programa, rodeado de chacretes, de Russo (seu assistente de palco) e Elke Maravilha. Em outubro de 1987 recebeu, dos professores Annita Gorodicht e Paulo Alonso, o título de "doutor honoris causa" da Faculdade da Cidade, no Rio. Seu aniversário de 70 anos foi comemorado em setembro de 1987 com um jantar oferecido em sua homenagem pelo então Presidente da República, José Sarney. Durante o ano de 1988, já doente, foi substituído em alguns programas por Paulo Silvino. Ao voltar à cena, no mês de junho, comandou a atração com João Kléber, até que pudesse se sentir forte novamente. Faleceu no dia 30 de junho de 1988, às 23h30, de infarto do miocárdio e insuficiência respiratória (tinha câncer no pulmão) aos 70 anos. O último programa Cassino do Chacrinha foi ao ar em 2 de julho de 1988. esse o ultimo!!! Chacrinha faleceu no dia 30/06/1988. Em 02/07/1988 foi transmitido o último programa gravado pelo Velho Guerreiro. Atrações: Placa Luminosa - Mais Uma Vez Jane e Herondy Jairzinho e Simony - Adivinha Jair Rodrigues e As Marcianas - Sonhos Coloridos Virginie - Más Companhias Vanusa e Manolo Otero - Eu Não Sei Jane Duboc - Sonhos Abelhudos - Dia de Paraíso Evandro Mesquita - Andar no Céu Benito Di Paula - Quando a Festa Acabar Via Negromonte - Preconceito Entrevista - Rômulo Arantes Roberto Leal - Fata Morgana RPM - Partners Silvinho Blau Blau - Medo Feroz Paralamas do Sucesso - Uns Dias Capital Inicial

quarta-feira, 1 de março de 2017

A importância do sono


Nervos à flor da pele e falta de atenção podem ser sinais de dívida. E quem está cobrando é o seu sono. É verdade que uma única noite mal dormida pode ser recuperada na noite seguinte. O problema é quando isso não ocorre e as horas a menos de sono vão se acumulando. O resultado da falta do descanso necessário para o nosso corpo é uma série de problemas de saúde. Alguns efeitos são rapidamente notados, como o estresse. A falta de sono produz consequências, muitas delas graves, em todo nosso organismo. Quem acorda cedo, vai dormir tarde e espreme o tempo de sono no período que resta antes do despertador tocar acaba em dívida com o travesseiro --o nome dado para isso é restrição de sono. Quem mais sofre são os trabalhadores noturnos, que possuem o que é chamado de privação de sono. Dormir é um comportamento fundamental para sobrevivência. Isso porque nosso corpo funciona de acordo com os ritmos circadianos, regulados pelos momentos de vigília e de sono. É o nosso relógio biológico. Quando começa a escurecer, a temperatura do nosso corpo baixa, e a redução da luminosidade induz a produção de melatonina, hormônio que prepara nosso sono. Nosso relógio biológico precisa no escuro da noite para funcionar. A vida na cidade, com os atrativos noturnos e o tempo gasto nos delocamentos atrapalham nosso sono Varar a madrugada e acordar tarde – o famoso "trocar o dia pela noite" – também bagunça nosso relógio biológico. Isso porque o sono durante o dia não possui a qualidade do sono da noite. Assim, não conseguimos o tempo suficiente para o descanso do corpo promovido pelo repouso e para a faxina da mente feita pelos sonhos. "As pessoas acham que não precisam dormir, e não dão valor ao sono como dão a outras coisas, como aos exercícios físicos", diz Cláudia Moreno, professora da Faculdade de Saúde Pública da USP. A luz do celular bloqueia a produção da melatonina, hormônio que nos faz dormir, retardando o início do sono Quantas horas por noite? "As pesquisas indicam que dormir menos do que 5 h em média aumenta as chances de doenças cardiovasculares", afirma Lorenzi. Segundo ele, o efeito da falta de sono em um ataque cardíaco não é imediato. Contudo, é grande a frequência de problemas cardíacos que surgem quando a pessoa esta passando por período de noites mal dormidas. Um recente estudo feito na Alemanha mostrou que a privação de sono sobrecarrega o coração. A necessidade de sono varia com a idade e de pessoa para pessoa. Bebês e adolescentes precisam dormir bem mais do que adultos. E a regra de um mínimo de 8 horas de sono não é universal. Em média, a quantidade de sono ideal seria por volta de 7 horas. "Algumas pessoas se sentem bem com 6 horas de sono. Acordam sem sonolência, bem-dispostas, não sentem sono durante o dia", diz Moreno. Mas se não é esse seu caso, é porque deveria gastar mais algumas horinhas na cama. A quantidade necessária de sono para você é a que te permite acordar bem e estar bem disposto durante o dia É possível saber se estamos quites com nossos travesseiros verificando sintomas imediatos da falta de sono. Cochilar com bastante facilidade quando se está lendo, assistindo à TV, em reuniões ou no trânsito indicam nosso grau de sonolência. O Instituto do Sono possui um teste on-line em que você pode verificar se precisa dormir mais. A falta de sono está associada ao ganho de peso e ao diabetes Dor de cabeça, cansaço e estresse são os problemas imediatos As consequências mais agudas e imediatas da falta de sono incluem mau humor e estresse. "Quem dorme pouco fica mais nervoso", diz Lorenzi. Ele explica que isso ocorre porque o sistema nervoso simpático, associado à descarga de adrenalina e ao estresse, acaba mais ativo que o parassimpático, que promove o relaxamento. "A pessoa também pode sofrer com dores de cabeça, cansaço ao longo do dia, sonolência em horário que deveria estar acordada e atenta", diz Moreno. Aí que mora o risco de consequências mais graves da noite mal dormida. "Se a pessoa opera uma máquina, pode causar um acidente", diz a especialista. Além de sonolência em diferentes momentos do dia, a restrição de sono provoca mau humor e estresse Problemas cardiovasculares, obesidade, envelhecimento são efeitos Quem não dorme o necessário costuma ter mais resfriados e gripes ao longo do ano. É o efeito da redução da imunidade, que faz com que as pessoas fiquem mais suscetíveis a contrair doenças. Problemas gastrointestinais também são males de quem dorme pouco. "Sono é importante para muitas funções do nosso organismo, praticamente todas", diz Ribeiro. A falta de sono também está associada ao ganho de peso, segundo Lorenzi. "Quanto mais privada de sono a pessoa é, maior a chance de sofrer de obesidade", diz ele. O ganho de peso deve-se a alterações nos ciclos hormonais e ao fato de nos alimentarmos de maneira pior. Estudos também mostram que a falta de sono aumenta o apetite e a resistência à insulina, estando associado ao diabetes. Devido à influência do sono no sistema endócrino, o déficit crônico é fator de risco associado a alguns tipos de câncer, como o de mama e de próstata, diz Ribeiro. Falta de sono aumenta a pressão sanguínea e sobrecarrega o coração, elevando o risco de infarto É possível ficar em dia com o sono; saiba como pagar sua dívida De acordo com os especialistas, nada melhor do que dormir para recuperar a energia do corpo e da mente. "Já que somos sociedade privada de sono, cochilar pode ser uma boa ideia", diz Lorenzi. Segundo o cardiologista, não existe estudo que mostra que cochilo reduz problemas cardiovasculares, mas os efeitos imediatos de uma noite mal dormida podem ser sanados com uma soneca. Para Moreno, uma forma de compensar a restrição de sono ao longo da semana é dormindo sem culpa no fim de semana. Muitas pessoas acham que perdem tempo dormindo, mas é importante compensar no fim de semana o sono perdido. Permita-se dormir quando pode dormir" Cláudia Moreno, professora da Faculdade de Saúde Pública da USP Um exemplo de descuido é ver até mesmo o lazer como mais importante que o momento de sono. "Quem acha que não precisa dormir está correndo o risco de ter problemas crônicos no futuro", completa. Fernando Cymbaluk Do UOL, em São Paulo