Postagem em destaque

Tem lugar que é proibido ser gay

Essa semana, mais precisamente dia 17 de maio foi comemorado o Dia internacional Contra a Homofobia Um dia muito importante para a comuni...

domingo, 1 de novembro de 2015

A histeroscopia


nosso assunto hoje é sobre saúde e vamos falar sobre A histeroscopia, o que é isso? como é feito? e por que é preciso fazer. quem vai nos contar é o Dr Renato Gil Nisenbaum com a colaboraçao do dr José Bento. A histeroscopia é um procedimento através do qual introduzimos uma óptica fina, acoplada a uma câmera e um sistema de vídeo, pelo colo do útero e visualizamos diretamente se há algum problema tanto no canal do colo como dentro do útero, na cavidade. O procedimento apenas para visualização é conhecido como histeroscopia diagnóstica. Após termos o diagnóstico estabelecido podemos no mesmo ato avançar o procedimento para a histeroscopia cirúrgica. Com uma imagem em alta definição do problema, e sem corte externo na paciente, conseguimos através deste procedimento retirar pólipos, miomas e / ou realizar biópsias na cavidade uterina. Isso é realizado através do uso de uma alça acoplada a um sistema de energia elétrica para realização de pequenos cortes. Algumas pacientes possuem seu útero com algum tipo de mal formação. Uma delas, conhecida como septo uterino (uma trave dividindo o útero internamente em 2 metades). Com o uso da histeroscopia cirúrgica podemos retirar este septo, deixando o útero anatomicamente normal, e trazendo de volta a fertilidade a paciente. É interessante lembrar que a paciente submetida a histeroscopia costuma ficar internada em sistema de day clinic, recebendo alta após algumas horas do procedimento, e podendo voltar as suas atividades habituais em curto espaço de tempo. Concluindo temos a nossa disposição um procedimento altamente eficaz para solucionar diversos problemas de nossas pacientes sem causar danos as mesmas, que evolução!!
 A histeroscopia é um grande avanço na ginecologia. Há poucos anos atrás, e ainda nos dias de hoje em locais menos desenvolvidos, mulheres com quadro de menstruação abundante, presença de espessamento endometrial (espessamento da camada que origina a menstruação), portadoras de pólipo uterino, de miomas, infertilidade de causa desconhecida, dentre outros problemas, não tinham opções de tratamento pouco invasiva. Habitualmente eram submetidas a raspagem do endométrio (curetagem uterina) a qual muitas vezes não resolvia o problema, ou pior ainda, tinham como opção a histerectomia (retirada do útero). A histeroscopia é um procedimento através do qual introduzimos uma óptica fina, acoplada a uma câmera e um sistema de vídeo, pelo colo do útero e visualizamos diretamente se há algum problema tanto no canal do colo como dentro do útero, na cavidade. O procedimento apenas para visualização é conhecido como histeroscopia diagnóstica. Após termos o diagnóstico estabelecido podemos no mesmo ato avançar o procedimento para a histeroscopia cirúrgica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário