Postagem em destaque

COPA DAS ZEBRAS

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

PIRIQUITOS



ORIGEM Conforme o nome popular (periquito australiano) nos indica, realmente o mesmo é nativo da Austrália, onde até os tempos atuais existem nos desertos e algumas regiões áridas, sendo também chamado de periquito ondulado ou zebrado. O nome científico é Melopsittacus undulatos, estando enquadrado na família Psittacidae, ordem dos Psittaciformes na classe das aves. No longínquo ano de 1805, Shaw e Nodder descreveram esta que foi a primeira espécie de psitacídeo a ser descrita em todo o mundo. O pássaro recebeu primeiramente a nomenclatura; Psittacus (por ser um psitacídeo) e undulatos (devido às marcas onduladas de suas asas, característica esta muito marcante nesta espécie). Posteriormente quando o renomado naturalista inglês John Gould ouviu as melodias entoadas por estes fantásticos pássaros, resolveu acrescentar a palavra melo (som), antes da palavra Psittacus, a partir de então esta espécie de psitacídeo passou a ser conhecida definitivamente no mundo científico como Melopsittacus undulatos. ALIMENTAÇÃO ustamente pelo fato dos periquitos serem granívoros, o seu principal alimento são as sementes que são trituradas através do bico impulsionado pelos seus fortes maxilares, justamente atentando para este fato que as mesmas deverão ser de ótima procedência e qualidade, afinal irão cobrir as carências de proteínas e etc. Satisfazendo as exigências de criadores principiantes e profissionais, existe a venda em lojas Pets misturas já pronta e fabricada especialmente para periquitos. Lembre-se de jamais adquirir misturas que contenham grãos de milho vermelho, uma vez que possui baixo valor nutritivo. As principais sementes que poderão ser adotadas na dieta diária são; Alpiste. Aveia. Níger. Painço (amarelo, preto, verde e vermelho). Espiga de painço. Cártamo Nem sempre as misturas pré-fabricadas satisfazem as exigências dos criadores, uma vez que a experiência e prática no manejo demonstraram que infelizmente existem muitas sementes nestas misturas que os periquitos se recusam a comer. Assim, sendo do interesse do criador preparar a sua própria mistura, recomenda-se; Sementes Porcentagem Aveia descascada 10% Alpiste 30% Mistura Pré-feita 10% Milho 50% Não é aconselhável deixar a aveia à disposição dos periquitos o tempo inteiro, uma vez que a mesma costuma engordar muito as aves. Aconselha-se somente administrar em épocas especiais (após o período do acasalamento), e para filhotes ganharem peso. Preferencialmente sirva à parte, levando-se em conta que posteriormente poderá ficar difícil separar as cascas das sementes. Frutas As frutas são ótimas fontes de minerais e vitaminas, uma das mais utilizadas é a banana que fornece iodo e uma ótima opção para que os filhotes ganhem peso saudavelmente. Outras frutas como a laranja e maçã também poderão ser oferecidas normalmente, muito embora que a maçã não seja muito apreciada pelos periquitos. Atente para o fato que o abacate jamais poderá ser oferecido, uma vez que é mortífero para os mesmos. Verduras Assim como as frutas, as verduras também suprem muitas carências de minerais e vitaminas. As folhas mais escuras deverão ser mais priorizadas como a chicória, o espinafre (rico em cálcio, Vitamina A, B e ferro) e almeirão. As verduras de folhas claras como o alface deverão ser descartadas, uma vez que as mesmas costumam ter poucos nutrientes e água. A cenoura poderá ser oferecida freqüentemente, levando-se em consideração que é muito rica em Vitamina A, muito embora que o seu suco costume manchar temporariamente as penas da face dos periquitos. Durante o inverno, talos e folhas de couve são muito apreciados. Cabe salientar que tal como as frutas, as verduras também deverão ser muito bem lavadas a fim de eliminar restos de produtos químicos empregados na produção dos mesmos, e excrementos de outros animais. As verduras poderão ser oferecidas entre 2 a 3 vezes por semana. Milho Não existe nada mais que os periquitos possam gostar do que do milho verde, trata-se de um ótimo hidratante e confere um rápido ganho de peso nos filhotes. Atente para o fato de oferecer bem lavado e obrigatoriamente sem casca. Procure não servir cozido, evitando-se assim a perda de nutrientes, e jamais com sal. Milho oriundo de plantações que utilizam agrotóxicos deverá ser descartado. Dê preferência por espigas graúdas, brilhantes e no ponto de serem colhidas, é desaconselhável oferecer espigas brancas, moles, escura, amarela, como já mencionada anteriormente vermelha ou dura. As espigas poderão ser oferecidas entre 2 a 3 vezes por semana. Vitaminas. Muitos criadores iniciantes oferecem alimentos para os periquitos que contém apenas vitaminas, isto é um erro, uma vez que aqueles que contenham micro elementos, proteínas e sais minerais obrigatoriamente também deverão ser oferecidos para o plantel. Os periquitos também necessitam de uma quantidade relativamente grande de iodo, esta substância é utilizada pela tiróide durante a produção de hormônios que serão necessários na execução de diversos processos que serão realizados no organismo da ave. Assim sendo, é recomendável colocar um bloco de iodo nas grades das gaiolas do seu plantel. Na falta de um bloco de iodo, como você já viu anteriormente, a banana é uma ótima fonte natural desta substância. Guloseimas Atualmente existem em lojas Pets diferenciados tipos de guloseimas como barras e anéis de sementes. Algumas até mesmo cobertas com mel. Quando estas guloseimas são servidas, é natural que haja alteração da cor nas fezes dos periquitos, devido aos corantes que são utilizados pelas fábricas na produção das mesmas. É muito importante prevenir o criador iniciante que não ofereça estas guloseimas em excesso, uma vez que já está provado que o consumo exagerado está ligado com a aparição da diabete de aves do tipo mellitus. Água Sem dúvida alguma, a água deverá obrigatoriamente estar sempre à disposição. Justamente pelo fato de uma rede de água não ser a mesma de um local para outro, procure optar pela água tratada, muito embora que o cloro em pequenas dosagens não faça mal aos periquitos, dependendo da qualidade da água de sua rede, poderá ser oferecida normalmente. Na falta de uma rede pública de água potável de qualidade, e na falta de disponibilidade para obter água tratada, você poderá optar pela filtração ou apenas ferver. A água poderá ser oferecida tanto nas tigelas de porcelana como nos tradicionais bebedouros. Embora que os bebedouros sejam desvantajosos por não serem alcançados pelos filhotes que recém abandonaram seus ninhos, muitos criadores o utilizam em seus plantéis por trazerem a vantagem que os periquitos não conseguem defecar em seu interior. Uma opção viável, porém não muito barata, seria o sistema automático de água. Trata-se de um dispositivo que com apenas um toque libera água, sendo de fácil instalação, uma vez que basta apenas conectar o dispositivo em uma mangueira ligada em uma caixa de água. Areia (grit) A areia (sêmola ou grit), erroneamente muitas vezes é esquecida na dieta dos periquitos, sendo que se trata de um item verdadeiramente indispensável, uma vez que assim como outras aves, os periquitos não dispõem de dentes, assim sendo, eles necessitam ingerir grãos de areia para moer os alimentos no interior de suas moelas antes que os mesmos sejam eliminados pelas enzimas e absorvidos através das paredes dos intestinos, além disto, o grit constitui uma importante fonte de minerais para os periquitos. Justamente por isto que a areia deverá sempre permanecer à disposição deles. Além de grãos de areia, o grit também é composto de carvão vegetal, farinha de ostra e etc. Cabe salientar que o Grit pode ser largamente encontrado em Lojas Pets com preços bastante módicos. Osso de siba Muitos criadores, não sabem, mas a matéria prima na fabricação do famoso osso de siba é a sépia, um molusco da mesma família da lula que possui uma concha interna. Assim como outras, esta concha também é rica de minerais, principalmente de cálcio. Deve ser fornecida para os periquitos principalmente durante o período reprodutivo. Podendo ser colocado um bloco preso à grade em cada uma das gaiolas. Não é necessário controlar o consumo de osso de siba para os periquitos, uma vez que este papel é desempenhado no próprio instinto destes pássaros, além de repor o cálcio, os periquitos utilizam os ossos de siba para afiarem o bico. Farinhadas Independentemente se os periquitos estão criando ou não, as farinhadas também são indispensáveis na dieta. Veja como preparar uma farinhada completa; Juntamente com 1 colher de sopa de proteína texturizada, junte 1 colher de sopa de fubá para cada ovo cozido por aproximadamente 15 minutos e devidamente amassado. Ou 2 colheres de sopa de farinha de milho para cada ovo cozido por aproximadamente 15 minutos e amassado. O interessante é que poderá também ser acrescentado milheto e outros grãos, como o famoso gergelim. Neste caso, a quantidade também irá variar de acordo com o número de aves no seu plantel, sendo meia colher de chá desta receita para cada periquito. Alimentação na mão Alimentar os periquitos à mão somente em duas situações; na falta dos progenitores quando estes morrem ou se recusam a alimentar os filhotes ou domesticação. Acompanhe; Uma vez que os progenitores tenham fugido do plantel, morrido ou até mesmo pelo filhote ter sido o último da ninhada e não ser alimentado, naturalmente existirá a necessidade de o criador recorrer para alimentação à mão. Um periquito que não se alimenta corretamente geralmente apresenta o papo vazio, quilha saliente e cada vez mais a sua fraqueza irá se acentuando. O pássaro fica somente em um canto da gaiola, seu olho começam a ficar “sem vida”, com penas eriçadas e apático. Caso o estado da fraqueza seja muito avançado, infelizmente na maioria dos casos já não será possível recuperar o periquito, e inevitavelmente, este acabará por morrer. Independentemente da idade do periquito, o único recurso a ser empregado será alimentá-lo na mão. Este procedimento poderá ser executado com uma seringa, uma colher de chá ou um conta-gotas. A seringa e o conta-gotas poderão ser empregados nos periquitos jovens, posteriormente para a colher de chá. Na maioria das lojas Pets o criador poderá encontrar papinhas já preparadas que inclusive vêm com seringas próprias para esta finalidade. Publicação retirada de : Curso Prático Criando Periquitos INDENTIFICANDO O SEXO O sexo dos periquitos é determinado pela cor da cera do nariz, ou seja, a parte que se destaca da parte superior do bico onde estão localizadas as narinas. As fêmeas adultas apresentam geralmente esta cera de cor castanha, ao passo que os machos têm a cera de cor azulada. (Em certos casos, nomeadamente no grupo dos multicor recessivos e nas espécies lutino e albino, a cera dos machos mantém uma cor púrpura-rosada, fazem a ave parecer eternamente jovem.) ACASALAMENTO Normalmente a maior dúvida de um criador iniciante é quando que os seus periquitos atingem a idade da maturidade sexual. Embora que seja um tema polêmico, não necessita de maiores explicações, levando-se em conta que as fêmeas poderão ser acasaladas após um 1 ano de vida, e os machos já nos 10 primeiros meses de vida. Cabe salientar que não é aconselhável acasalar fêmeas com mais de 4 anos. Não somente por ser uma ave graciosa, de aspecto rudimentar e exótica, os periquitos também são muito populares pelo fácil manejo e reprodução, bastando apenas para isto que o criador coloque a disposição do casal pelo menos dois ninhos, desta forma, a fêmea poderá escolher qual deles irá nidificar e o melhor de tudo é que o trabalho além de envolver o casal, também é imediato após a escolha. Diferentemente de outros psitacídeos, os periquitos não se deixam perturbar com a presença de pessoas durante o ato de acasalamento, portanto, podem ser observados a vontade. O criador poderá perceber a predisposição para o acasalamento quando as narinas do macho atingir uma forte coloração azul que chega até mesmo a ficar brilhante nesta época, assim como a parte central dos olhos costuma ficar dilatada, constantes bicadas no bico da fêmea, tudo isto somado com uma grande excitação que faz o macho pular freneticamente de um poleiro para o outro. Já na fêmea, o criador poderá perceber diferentes alterações como a narina que se torna marrom/castanho nesta época, aceita de forma indiferente e dócil as inúmeras bicadas que o macho lhe dá, assim como aguarda pacientemente que o macho lhe acoberte se aconchegando no poleiro. FILHOTES Uma vez nascidos, em apenas uma semana os filhotes já terão adquiridos penas, muito embora que as penas permanentes somente começarão a crescer após três semanas, durante esta fase, já será possível distinguir claramente a cor definitiva que cada filhote terá. De acordo com o desenvolvimento de cada um, as anilhas identificadoras poderão ser colocadas entre o 5º e o 7º dia de vida dos filhotes. Uma dica muito importante para os iniciantes é que os periquitos jovens tendem a abandonar o ninho entre quatro a cinco semanas de vida, qualquer filhote que abandone o ninho antes deste prazo deverá ser imediatamente recolocado no interior do mesmo. Após os filhotes estarem comendo as sementes sozinhos, poderão ser separados dos pais e colocados em outra gaiola. Caso os pais não tratem direito os seus filhotes é “normal”, levando-se em conta o espaço reduzido que as gaiolas de criação e manejo costumam ter. Anilhamento Quando se dá inicio à actividade de criação de aves, entre outras necessidades, aparece a de se anilharem as crias. Porquê? Dependendo do volume de aves no aviário, é necessário saber distingui-las. Para isso, o método mais rápido é fazer uso de anilhas coloridas. A nível amador/principiante, recomendo usarem anilhas coloridas de abrir. Estas podem ser de plástico ou de metal. No meu caso, tenho um saco de anilhas plásticas coloridas de abrir. Estas, podem ser colocadas em qualquer idade pois, não são fechadas sendo de fácil aplicação. Desde o primeiro momento que comecei esta actividade que tenho vindo a anilhar as minhas aves com estas anilhas. Em periquitos australianos, essas serão, no meu entender as anilhas ideais pois servirão apenas para diferenciar as aves no aviário. A um nível mais avançado, poder-se-á optar por anilhas fechadas. Estas, também aparecem em algumas variedades: em plástico e em metal. Das anilhas plásticas, existem em várias cores com e sem inscrições. Nas inscrições destas anilhas, constam geralmente apenas o ano e o mês em que nasceu a ave. Nas de metal, também podem ser compradas em qualquer loja de aves, com o mesmo tipo de inscrição ou apenas com o ano e um número. Estas anilhas compram-se em sacos de, por exemplo: 50 e estarão numeradas de 1 a 50 mais o ano de nascimento da ave, como anteriormente referido. Finalmente, no campo da anilhagem mais profissional, existem as anilhas oficiais, fornecidas por clubes onde, para se ter acesso às mesmas, é necessário ser sócio dum clube e este, por sua vez, estar filiado numa das nossas federações. Isto porque, neste assunto, o clube serve apenas de intermediário entre o criador e o fornecedor de anilhas: a federação a que o clube está agregado. Estas anilhas não só possuem gravado o ano de nascimento da ave mas também o número de STAM. Este número é único e pertença de cada criador. Mais se acrescenta que, se o criador pretender participar em exposições e concursos, as suas aves têm que estar devidamente anilhadas por anilhas deste tipo reconhecidas pela federação que promove o evento. Outra particularidade destas anilhas oficiais é a sua cor. Esta surge associada a um ano sendo diferente, de ano para ano. Torna-se assim mais fácil/rápido identificar o ano de nascimento da ave em questão. Colocação de Anilhas Fechadas Partindo do principio que tudo corre bem, as crias crescem rapidamente e podem ser anilhadas quando atingirem os 7 dias de idade. Isto é particularmente no caso dos periquitos de exposição. Mais tarde do que esta idade já não será possível colocar as anilhas nos pássaros porque os seus dedos estarão demasiado grandes para passarem pela argola. A colocação da anilha não é tarefa muito complicada mas requer algum cuidado e experiência. Certifique-se que tem as mãos bem lavadas pois terá que pegar e manusear por algum tempo a cria com 3 ou 4 dias de idade. 1ª Fase: Segure nos 3 dedos mais compridos da cria. 2ª Fase: Enfie-os na anilhas. Depois dobre o quarto dedo (o mais pequeno) para cima na direcção da articulação da perna e passe cuidadosamente a anilha por cima dele. Esta fase é muito delicada e deve ser executado com o maior cuidado para não provocar lesões à cria. 3ª Fase/Fase Final: Verifique que a anilha está larga e roda bem na perna da cria, sem provocar lesões. Finalmente, uma recomendação: Depois de anilhar a ave, deve observar regularmente o ninho para verificar se a mesma não caiu da ave. Se esta for anilhada muito jovem (2-3 dias), ou a anilha for um pouco grande demais para a ave em questão, isto pode acontecer. Para periquitos, recomendam-se anilhas de medida L (4,2mm) Publicação retirada de : Curso Prático Criando Periq uitos

Nenhum comentário:

Postar um comentário